SEMANA DA TRANSFORMAÇÃO FINANCEIRA | FINANÇAS PESSOAIS DE ENDIVIDADO PARA INVESTIDOR

Você não entende porque “as contas nunca fecham”? Nunca “sobra” dinheiro para investir? Você está sempre no vermelho? Seu patrimônio parece que nunca sai do lugar?

Agora chegou a hora de você entender exatamente como suas finanças pessoais são fundamentais para tudo isso.

Desde cedo, começamos a lidar com uma série de situações ligadas ao dinheiro. Para tirar melhor proveito do seu dinheiro, é muito importante saber como utilizá-lo da forma mais favorável a você. O aprendizado e a aplicação de conhecimentos práticos de educação financeira podem contribuir para melhorar a gestão de nossas finanças pessoais, tornando nossas vidas mais tranquilas e equilibradas sob o ponto de vista financeiro.

image

Com uma linguagem simples e objetiva, você irá aprender a organizar as suas finanças e além disso, conhecerá o essencial sobre o mercado de capitais e poderá iniciar de forma segura seus investimentos na renda variável.

Iremos demonstrar como você irá investir na prática, desde criando uma conta em uma corretora, a plataforma dos investimentos, home broker, boleta e o processo como um todo de investimento. Mostrando os passos iniciais antes de iniciar no mercado financeiro, além da visão geral sobre o mercado de capitais e o processo de compra e venda de ativos na Bolsa de Valores.

  • Passo a Passo
  • Veja o passo a passo que você vai encontrar no CURSO:

    Passo 1. Nossa relação com o dinheiro;

    Passo 2. Organização Financeira;

    Passo 3. Planejamento Financeiro;

    Passo 4. Orçamento Pessoal e Familiar;

    Passo 5. Consumo Planejado e Consciente;

    Passo 6. Mercado Financeiro

    Passo 7. Renda Variável

    Passo 8. Fundos Multimercado e Ações

    Passo 9. Fundos Imobiliários

    Passo 10. Ações

    Passo 11. Como investir na prática

    Leia Mais
    Economia, Gestão, negócio, Planejamento

    As recomendações do que não fazer com o seu dinheiro em 2021

    O ano de 2021 começou com o Ibovespa, o principal índice da Bolsa brasileira, batendo recorde, o que desperta nos investidores o desejo de se superar ainda mais no novo ciclo. Mas em um período ainda recheado de incertezas, mais importante do que tentar dar a “tacada certa” é saber o que evitar para não terminar o ano lamentando as escolhas de investimentos.

    Apostar em papéis com retornos prefixados, ficar apegado à velha caderneta de poupança ou não ter uma diversificação da carteira estão entre os erros a serem evitados para investir melhor.

    Por ora, há pela frente a visão de recuperação da economia em meio à pandemia do coronavírus, um ambiente com taxa básica de juros baixa – a Selic está em 2% ao ano –, mas com a inflação dando sinais claros de alta e uma preocupação crescente com as contas públicas.

    Nesse cenário, em que um aumento dos juros já parece contratado pelo mercado financeiro, um dos principais riscos é ficar refém de taxas de retorno preestabelecidas. Confira a seguir as principais recomendações do que não fazer com seu dinheiro neste ano.

    Comprar títulos prefixados sem pensar nos prazos

    Luis Stuhlberger, responsável pela gestão do conhecido fundo Verde, já dizia em outubro que preferia “ficar dias presos a ficar aplicado em prefixado”.

    Ainda não há uma clareza sobre o comportamento da inflação, que encerrou 2020 em 4,52%, portanto acima do centro da meta de 4% definida pelo Conselho Monetária Nacional (CMN), mas ainda dentro do intervalo de tolerância.

    Se a atividade econômica entrar em um ciclo de retomada, outros preços, para além dos alimentos, tendem a subir, pressionando os índices de inflação e o Banco Central a elevar a taxa Selic – de acordo com o relatório Focus, do Banco Central, o mercado financeiro prevê a taxa básica de juros em 3,25%, ao fim de 2021, e em 4,75%, em dezembro de 2022.

    Ter na carteira de investimentos, nesse momento, títulos prefixados, pode ser, assim, um erro, considerando a contratação de uma taxa hoje que poderá ser maior até o vencimento do título em questão.

    Não ter cuidado com “turn around”

    Empresas em processo de reestruturação de seus negócios, processo conhecido como “turn around”, parecem atrativas a um primeiro momento pelo potencial de mudança, mas podem se tornar um problema para o investidor, se não forem bem avaliadas.

    As ações dessas companhias passam, em geral, por períodos de quedas acentuadas em suas cotações e, após o início do turn around, atraem investidores que buscam ganho rápido.

    Paulo Batistella Bueno, gestor da Santa Fé Investimentos, alerta que essas empresas devem ser uma opção apenas quando se tem confiança na administração delas – ou seja, com executivos com histórico de entrega de resultados – e, ainda assim, é aconselhável que novatos em renda variável evitem esses papéis.

    Como exemplo, Bueno cita a empresa de educação Cogna e a de meio de pagamentos Cielo. “A primeira tem problemas em seu negócio, com um endividamento elevado. A segunda precisa se reinventar com o aumento da concorrência”, pontua.

    Para o gestor, as questões não indicam que essas empresas não vão conseguir se reestruturar ou inovar em seus negócios, mas que o processo pode demorar.

    Ignorar perfil de risco ou objetivo

    A recomendação também não é específica para 2021, mas o investidor só vai fazer uma boa aplicação se tiver em mente seu objetivo, sua propensão ao risco e o horizonte de tempo.

    “Não adianta querer diversificar antes de ter uma reserva de emergência. Ou investir em um produto de risco se o objetivo é de curto prazo”, afirma Leticia.

    Fernando Donnay, gestor de patrimônio da G5 Partners, ressalta que é preciso entender onde está se colocando o dinheiro e se o risco desse ativo é aceitável. “É preciso saber a tolerância ao risco, o quanto um investidor está confortável para perder.”

    Aplicar na caderneta de poupança

    Não é segredo para ninguém que a caderneta de poupança tem sido há tempos apontada como uma alternativa a ser evitada pelos brasileiros.

    Com a Selic em 2%, a caderneta de poupança tem rendido 70% da taxa básica de juros mais a variação da TR, zerada desde 2018. Isso significa que, apesar da liquidez diária, a poupança está rendendo hoje 1,4% ao ano.

    Ainda que não haja incidência de Imposto de Renda ou outros custos sobre o produto, a rentabilidade está bem abaixo da inflação e também perde para aplicações similares, como fundos DI ou Tesouro Selic.

    “Claramente a poupança hoje está significando perder dinheiro. A remuneração está em 1,4%, bem abaixo da inflação. É uma péssima alternativa”, diz o educador financeiro Carlos Eduardo Costa.

    Fonte: Infomoney

    Leia Mais
    E-book, Planejamento

    Planejamento Financeiro: A Importância da Análise do Balanço Familiar

    Estudos no campo das finanças comportamentais e da psicologia econômica¹ sugerem que o brasileiro médio não possui uma relação sustentável com o dinheiro. Geralmente, suas decisões de consumo e investimento são determinadas mais pelas respostas a desejos, conscientes ou não, e menos por decisões racionais sobre quanto consumir ou poupar, a fim de garantir estabilidade do poder de compra futuro.

    Esta deficiência no planejamento financeiro não deve ser associada apenas à baixa escolaridade média da população, já que também se observa este “comportamento de risco” em relação às finanças em substratos mais favorecidos, onde a escolaridade é maior. Assim, sugere-se que, mais do que um eventual conhecimento parcial sobre o tema, exista uma dificuldade cultural de lidar com o dinheiro e pôr em prática a tarefa de preparar-se para o futuro. Os motivos que levam a este quadro podem ser classificados como evolutivos, históricos e sociais.

    Para planejar corretamente as finanças de um indivíduo ou família, deve-se entender corretamente o conjunto de compromissos que lhes serão exigidos ao longo da vida, o que convencionaremos chamar de “passivos” neste estudo. Da mesma forma, é necessário conhecer o montante de recursos que estão ou estarão disponíveis para fazer frente a tais passivos. Através do cálculo deste balanço, que corresponde ao valor presente de todas as riquezas e compromissos de um indivíduo ou família, o poupador pode estimar a probabilidade de atingimento de suas metas financeiras, servindo de termômetro de sua saúde financeira. Adicionalmente, o cálculo é útil para sinalizar a necessidade de aumento do nível de poupança ou, ao contrário, a possibilidade de antecipar ou aumentar gastos com itens menos urgentes.

    Confira todos os detalhes em nosso E-book completo.

      Leia Mais
      × Como posso te ajudar?